EIXO 2

Eixo 2 – Intervenção Familiar e Parental, Preventiva da Pobreza Infantil

As ações obrigatórias no âmbito do eixo 2 consistem em:

a) Estratégias genericamente aplicáveis ao nível da qualificação das famílias, designadamente informação
dos seus direitos de cidadania, desenvolvimento de competências dos respetivos elementos e aconselhamento em situação de crise;
b) Estratégias direcionadas para as crianças e jovens, promovendo estilos de vida saudáveis e de integração social, numa perspetiva holística e de envolvimento comunitário, nomeadamente ao nível da promoção: da saúde, do desporto, da cultura e da educação para uma cidadania plena;
c) Estratégias direcionadas para a mediação dos conflitos familiares, particularmente no caso de famílias com
crianças, em articulação com as equipas que intervêm com as famílias e/ou as suas crianças, promovendo a capacitação das famílias e a proteção e promoção dos direitos das crianças e jovens.

 

 O CLDS 3G “para a Inclusão” de Oliveira de Frades propõe-se a desenvolver as seguintes atividades:

 – Realização de ações de formação sobre direitos de cidadania;

– Realização de ações de formação acerca de aquisição de competências parentais, gestão de conflitos e gestão doméstica;

– Realização de um programa de promoção de estilos de vida saudáveis;

– Dinamização de ações de formação sobre parentalidade positiva;

– Realização de ações de formação sobre a prevenção do consumo de substâncias;

– Dinamização de encontros integeracionais, de forma a combater o isolamento;

– Análise e apoio de necessidades encontradas (e.g., psicológicas, terapia da fala);

– Divulgação dos direitos das crianças e jovens;

– Criação de um cartão de descontos, para atividades desportivas e culturais, destinado a famílias com dificuldades financeiras;

– Identificação e apoio de famílias que necessitem de medidas de proteção (e.g., desequilíbrios económicos);

– Criação de uma base de dados de voluntariado de apoio a pessoas idosas;

– Dinamização de informações sobre burlas, saúde e importância de ser ativo;

– Distribuição de folhetos acerca do idoso;

– Promoção de encontros com idosos;

– Realização de ações de formação para a promoção do envelhecimento ativo;

– Integração de pessoas idosas em atividades locais.